Ligue para a presidente Dilma: Não a Belo Monte!

Avaaz.org vai proteger sua privacidade e lhe manter atualizado sobre essa e outras campanhas semelhantes.


    Postado:  8 junho 2011

    A presidenta Dilma acabou de dar permissão à construção da usina de Belo Monte, na Amazônia. A usina iria não apenas destruir grandes partes de uma floresta tropical que é vital, mas ainda tirar à força milhares de povos indígenas de suas terras. O cacique Raoni, chefe do povo caiapó, que iria perder seu modo de vida, jurou lutar até à o fim para impedir a usina (foto acima).

    A presidenta Dilma ainda pode impedir o avanço desta usina. Vamos apoiar o cacique Raoni e com urgência inundar o escritório da presidenta com uma onda de telefonemas de brasileiros preocupados pedindo a ela que proteja o meio ambiente e impeça Belo Monte.

    Estes são os números de telefone da presidente Dilma
    • (61) 3411-1225
    • (61) 3411-1200
    • (61) 3411-1201

    Aqui estão algumas sugestões do que dizer – lembre de ser educado e respeitoso ao ligar.
    • Eu estou ligando para insistir que o projeto da usina de Belo Monte seja interrompido
    • Construir a usina destruirá 400.000 acres de floresta tropical Amazônica - um desastre para animais, plantas, e pessoas que dependem desse ecossistema sensível para viver
    • 40% dos requisitos em saúde, educação, saneamento e proteção às terras indígenas não estão sendo garantidos pelo consórcio Norte Energia S.A. (NESA)
    • Violência e especulação de terras cresceram nos últimos meses enquanto saúde, educação e saneamento são escassos na área de Belo Monte
    • Nós devemos impedir Belo Monte agora, antes que o povo caiapó tome medidas desesperadas e arrisque suas vidas por causa da usina de Belo Monte
    Se não conseguir completar a ligação, continue tentando -- isso significa que estamos congestionando as linhas e tendo algum impacto.

    Depois de fazer sua ligação, compartilhe sua experiência com o restante da comunidade Avaaz, postando um comentário à direita.

    Compartilhe nas redes

    Clique para copiar: