Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Apoio à ratificação da Convenção contra a Tortura por Angola, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe

Apoio à ratificação da Convenção contra a Tortura por Angola, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe

59 assinaram. Vamos chegar a   100
59 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Esta petição foi criada por IRCT International Rehabilitation Council for Torture V. e pode não representar a visão da comunidade da Avaaz.
IRCT International Rehabilitation Council for Torture V.
começou essa petição para
CPLP - Comunidade dos Países de Língua Portuguesa
A não sujeição a atos de tortura é direito humano fundamental sendo o principal tratado internacional que especificamente lida com esta problemática a Convenção das Nações Unidas contra a Tortura e Outras Penas ou Tratamentos Cruéis, Desumanos ou Degradantes, em vigor desde 26 de Junho de 1987.

Apesar dos esforços e das medidas já tomadas, três dos oito membros que formam a CPLP, nomeadamente Angola, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe, ainda não ratificaram a Convenção contra a Tortura.

Para a CPLP, uma organização que se afirma fundada e guiada pelo “primado da paz, da democracia, do estado de direito, dos direitos humanos e da justiça social”, e que visa ser uma voz forte e respeitada no plano internacional, este fato não pode, indiscutivelmente, deixar de representar um aspeto lamentável e até fonte de alguma desacreditação.

Desse modo, insto a CPLP a intensificar esforços no sentido da ratificação da Convenção contra a Tortura por todos os seus Estados membros, assim como a incentivar o empenho destes no que diz respeito à prevenção e erradicação da tortura em todo o mundo.

Uma sociedade que não partilha os valores desta Convenção não é, não pode ser, a sociedade com que a nova geração lusófona se identifica. Esta geração quer seguramente viver numa comunidade guiada pelo primado da verdadeira paz, da verdadeira democracia, do verdadeiro estado de direito, do verdadeiro respeito pelos direitos humanos e da verdadeira justiça social.