Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Vitória
Esta petição foi encerrada

Vitória
Esta petição foi encerrada
8,658 assinaram. Vamos chegar a   10,000
8,658 Apoiadores

Ricardo M.
começou essa petição para
Desembargadores Celso Ferreira Filho e Ricardo Rodrigues Cardozo da Décima Quinta Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.
Na próxima terça-feira 12 de junho de 2012, no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, às 13 horas, a luta dos POVOS TRADICIONAIS pelos seus TERRITÓRIOS travará uma de suas mais importantes batalhas.

Solicitamos que os Desembargadores (Celso Ferreira Filho e Ricardo Rodrigues Cardozo) reconheçam o direito de permanência do Seu Maneco e família em Martins de Sá!! Já reconhecido em primeira instância!

Após 14 anos de luta judicial, será julgado pelo Tribunal de Justiça do Rio o direito de uma família caiçara permanecer na Praia de Martins de Sá, na Reserva Ecológica da Juatinga, em Paraty.

Primeira Reserva Ecológica do Brasil criada para a proteção cultural e ambiental, hoje os pescadores caiçaras que nela resistiram se veem seriamente ameaçados pela especulação imobiliária.

Não podemos permitir a expulsão dos únicos responsáveis pela preservação desse lugar paradisíaco, representantes do patrimônio cultural imaterial brasileiro, protegidos pela Constituição da República, acordos internacionais e leis estaduais e federais.

De um lado uma família rica proprietária de terras, do outro uma família caiçara nascida e criada no lugar, que vive há pelo menos 6 gerações sendo 4 delas vivas.

Divulguem e compareçam no dia do julgamento para uma manifestação de Paz, uma antecipação da Cúpula dos Povos da Rio + 20.

Pedimos que os Desembargadores NÃO nos deem mais um motivo de vergonha na Rio + 20.

E os convidamos a entrar para a história, fazendo prevalecer princípios éticos, morais, ambientais, culturais e sociais na tomada de uma decisão dessa importância, apesar de tão cruel desigualdade - de poder e econômico - entre as partes.

Pedimos, principalmente, que nos deem uma esperança de que ainda há Justiça nesse país.

E acima de tudo, vamos lembrá-los que tem muita gente prestando atenção nesta decisão.

Respeito à sociobiodiversidade brasileira!