Ao continuar você está aceitando a Política de Privacidade da Avaaz, que explica como seus dados podem ser usados e como serão protegidos.
Entendi
Nós utilizamos os cookies para analisar como visitantes usam o site e para nos ajudar a fornecer para você a melhor experiência possível. Leia nossa Política de Cookies.
OK
Somália: Não há autoridade para estuprar

Somália: Não há autoridade para estuprar

804,048 assinaram. Vamos chegar a   1,000,000
804,048 Apoiadores

 

Complete a sua assinatura

,
Ao juntar-se a esta campanha você concorda em receber emails da Avaaz. Nossa Política de Privacidade protegerá seus dados - no link explicamos como eles serão usados. Você pode se descadastrar a qualquer momento.
Laila A.
começou essa petição para
Somalia's donors countries and Hassan Sheikh Mohamoud, president of Somalia
ATUALIZAÇÃO: 18 de março de 2013 -- Notícias fantásticas: a jovem sobrevivente de estupro e o jornalista foram libertados! Mas ainda há milhares de mulheres em toda a Somália correndo risco de estupro e a menos que o governo da Somália realize uma reforma no sistema de segurança e no judiciário, o ciclo de violência continuará. Vamos manter a pressão!

Meu nome é Laila e eu sou jornalista. Eu escrevi uma matéria sobre uma jovem que foi brutalmente estuprada por soldados do governo da Somália, na esperança de que sua coragem em contar uma história tão dolorosa pudesse chamar a atenção para o horrível problema de estupro no país. Em vez disso, o governo usou o meu artigo para prender uma vítima de estupro e um outro jornalista que cobria a história por "insultar o estado”!

O estupro já é uma coisa horrível, mas quando seus estupradores são as próprias autoridades a quem você poderia pedir ajuda, esta é a pior das sensações de impotência. Mas penso que juntos podemos trazer esperança para ela. É por isso que eu comecei uma petição global no site da Avaaz, porque o governo da Somália depende fortemente do financiamento de outros governos, e a comunidade internacional pode pressioná-los a interromper esse financimanto e trazer reformas reais para acabar com a epidemia de estupro conduzido por forças de segurança.

O nosso apelo para a mudança pode realmente funcionar, mas ele precisa ser grande. A enviada da ONU, Zainab Bangura, disse que entregará a nossa petição pessoalmente aos países doadores e ao Presidente da Somália. Ajude assinando e encaminhando este e-mail. Vamos mostrar a estas mulheres que elas não estão sozinhas, e que ninguém tem autoridade para estuprá-las.

* Laila Ali -- jornalista de origem britânica e somali com sede em Nairobi