O pior castigo do mundo por estuprar alguém?

Para o Inspetor Geral da Polícia do Quênia:

Nós pedimos ao senhor para trazer justiça para Liz, incluindo a prisão imediata e julgamento de seus estupradores e ação disciplinar integral para os policiais que não lidaram corretamente com o caso. Penalizando os policiais por suas ações, o senhor irá enviar uma poderosa mensagem para as polícias de todo o país de que o estupro não é apenas uma infração, e sim um crime grave e, que, se a polícia não cumprir a lei, será responsabilizada. Apelamos ao senhor para garantir que o caso de Liz seja um marco para acabar com a guerra contra meninas.
 
Já participa da Avaaz? Basta digitar seu email:
Primeira vez? Por favor preencha o formulário:
Avaaz.org vai proteger sua privacidade e manter você informado sobre esta e outras campanhas semelhantes.

Liz, de apenas 16 anos, estava voltando para casa após o funeral do seu avô quando foi atacada e cercada por seis homens, que começaram a estuprá-la. Quando acabaram, eles jogaram Liz, que ainda estava inconsciente, em uma fossa de esgoto de 6 metros de altura. A punição por este crime? Os policiais pediram para os estupradores cortarem a grama da delegacia e depois soltaram eles!

A terrível história da Liz causou alvoroço em todo Quênia, e tanto os políticos como a polícia começaram a sentir a pressão e a dar esclarecimentos. Mas vários grupos dos direitos das mulheres no país estão dizendo que nada vai mudar, de fato, a menos que o governo sinta a pressão internacional, e estão pedindo ajuda urgente à comunidade da Avaaz para garantir que justiça seja feita e que o pesadelo vivido por Liz marque o fim da epidemia de estupros no Quênia.

Ninguém foi responsabilizado pelo crime ainda – nem os estupradores, nem a polícia. Podemos mudar isto agora mesmo. Vamos defender Liz antes que seus estupradores e a polícia saiam impunes. Assine para pedir justiça por Liz e ajude a garantir que mais nenhuma menina seja alvo de tamanha violência no Quênia.

PS: Liz é um pseudônimo dado pelo jornal que escreveu sobre o caso de Liz inicialmente e, desde então, tem sido o nome adotado amplamente. A imagem desta campanha não reflete a figura de Liz.

Compartilhe nas redes

Clique para copiar: