Lei homofóbica em Uganda - Barrada!

Para o presidente Museveni, de Uganda, membros do comitê de revisão, parlamento e governos doadores:

Nós nos colocamos ao lado de cidadãos de Uganda que estão apelando a seu governo para que retire a Lei Anti-homossexual, e que proteja os direitos humanos universais contidos na constituição ugandense. Nós instamos os líderes e doadores ugandenses a se juntar a nós na rejeição da perseguição e na defesa dos valores de justiça e tolerância.
 
Já participa da Avaaz? Basta digitar seu email:
Primeira vez? Por favor preencha o formulário:
Avaaz.org vai proteger sua privacidade e manter você informado sobre esta e outras campanhas semelhantes.

Na foto acima: David Kato, amigo da Avaaz, brutalmente assassinado em Uganda há dois meses.

Atualizado em: 13 de maio de 2011
Grandes novas - a lei foi engavetada! Juntos, nós ganhamos uma luta importante por igualdade e justiça. Mais de 1,6 milhão de nós assinaram a petição se opondo à lei homofóbica, dezenas de milhares de nós ligaram para nossos chefes de estado, e nós ajudamos a tornar o ataque a direitos gays em Uganda uma matéria em destaque na mídia internacional - e funcionou.

Hoje, sob intensa pressão global, o porta-voz do parlamento ugandense bloqueou a votação da lei homofóbica na sessão de emergência. Agora o parlamento fechou e a lei foi apagada dos livros. Não está necessariamente banida para sempre, mas para ser considerada novamente, teria de ser reintroduzida como uma nova lei e passar por todo o processo parlamentar - o que levou 18 meses da última vez.

Nossa manifestação global tornou claro que o mundo está observando, e exigindo que os direitos humanos sejam respeitados em todo lugar. Hoje, nós podemos nos juntar a nossos amigos em Uganda para a celebração de uma vitória que pode salvar milhares de vidas.

Atualizado em: 9 de maio de 2011 Em 24 horas, o parlamento ugandense pode votar uma nova lei brutal que prevê a pena de morte para a homossexualidade. Milhares de ugandeses podem enfrentar a execução - só por serem gays.

Nós ajudamos a impedir esta lei antes, e podemos fazê-lo novamente. Depois de uma manifestação global massiva no ano passado, o presidente de Uganda, Museveni, bloqueou o progresso da lei. Mas os tumultos políticos estão crescendo em Uganda, e extremistas religiosos no parlamento esperam que a confusão e a violência na rua distraiam a comunidade internacional de uma segunda tentativa de passar esta lei cheia de ódio. Nós podemos mostrar a eles que o mundo ainda está observando. Se bloquearmos o voto por mais dois dias até que o parlamento feche, a lei expirará para sempre.

Não temos tempo a perder. Vamos chegar a um milhão de vozes contra a pena de morte para gays em Uganda nas próximas 24 horas - assine agora e então divulgue a campanha!

Compartilhe nas redes

Clique para copiar: